Pular para as informações do produto
1 de 3

Com certificado de autenticidade e garantia

Carta assinada de Jean Batten (1935)

Carta assinada de Jean Batten (1935)

Preço normal R$ 1.000,00 BRL
Preço normal Preço promocional R$ 1.000,00 BRL
Promoção Tem novo guardião

Em visita ao Brasil em 1935, logo depois de atravessar o Atlântico Sul, Jean Batten agradece o elogio de um admirador.

Carta assinada por Jean Batten para um admirador. Rio de Janeiro, 21 de novembro 1935. Em inglês. Uma página. 24.7 cm x 18.7 cm. Bom estado. Peça única.

Quando a gente fala dos “pioneiros da aviação”, esquecemos das pioneiras. Na verdade, houve mulheres envolvidas e decisivas em todas as invenções, direta ou indiretamente. A genialidade e a coragem não têm sexo, e pretendo nos próximos meses e anos apresentar para vocês, ainda mais mulheres gloriosas, que foram subestimadas e merecem a nossa atenção. 

Hoje quero falar para vocês de uma delas, que me fascinou bastante: Jean Batten. Na sua época, era famosíssima e atraia multidões. O motivo de sua fama? Uma mistura de audácia, beleza (era chamada de “Garbo dos Céus") e sobretudo seus vários recordes de distância e tempo de voo, em uma época onde os aviões ainda eram pouco confiáveis e haviam pouquíssimas pilotas, por machismo.

Depois de seu primeiro voo, da Grã-Bretanha para a Austrália, ela estabeleceu um recorde mundial em 13 de novembro de 1935, ao voar da Grã-Bretanha para o Brasil, em treze horas e quinze minutos. Foi nessa oportunidade, que ela escreveu e assinou essa pequena carta no Rio de Janeiro. Jean foi condecorada com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, tornando-se a primeira pessoa - que não fosse um membro da Família Real - a ser homenageada, devido a esse recorde. Na sequência, realizou outra façanha incrível ao voar da Inglaterra à Nova Zelândia, sua terra.

Em 1938, Jean foi a primeira mulher a receber a Medalha da Federação Aeronáutica Internacional, a mais alta honraria da aviação. Porém, a Segunda Guerra Mundial pôs fim às suas aventuras aéreas. Embora aos poucos esquecida, o terminal internacional do aeroporto de Auckland tem o seu nome. E ela fica para a eternidade, no clube restrito dos pioneiros (pioneiras!) da aviação. 

Essa carta simples me chamou a atenção por vários motivos. Primeiro, trata-se do começo da aviação, uma temática fascinante que aprendi a explorar com Santos Dumont. Segundo, trata-se de uma mulher excepcional, que admiro. E terceiro, essa carta foi escrita no Brasil, uma semana depois de uma das suas maiores realizações, a travessia do Atlântico Sul. Faço essa viagem várias vezes por ano, confortavelmente sentado no meu assento do enorme Airbus, e seguro que da próxima vez, vou pensar na Jean que fez esse percurso sozinha, no seu pequeno avião.

 

Ver informações completas

Formulário de contato