Pular para as informações do produto
1 de 4

Com certificado de autenticidade e garantia

Carta manuscrita da Princesa Francisca (1844)

Carta manuscrita da Princesa Francisca (1844)

Preço normal R$ 0,00 BRL
Preço normal Preço promocional R$ 0,00 BRL
Promoção Tem novo guardião

> Esse item saiu do catálogo, veja aqui os documentos disponíveis <

Em 1844, a Princesa Francisca escreve para sua irmã Januária: “não deixe o Pedro só, tem paciência, ele é o teu único amigo”.

  • Carta de Princesa Francisca de Bragança para sua irmã Januária de Bragança.
  • Uma folha, duas páginas.
  • Em português.
  • 20 cm x 25 cm (cada folha).
  • Saint Cloud, França, 5 de outubro de 1844.
  • Excelente estado.
  • Peça única.

Transcrição integral

Saint Cloud, França 5 de outubro de 1844

Minha querida Mana Januária

Foi com bastante prazer que recebi as tuas boas cartas de 20 de maio até 27 de julho.

O que me faz bastante pena é de ver que as intrigas continuam. Faze todas as diligências para que Luis (conde de Áquila, marido de d. Januária) esteja sempre bem com o Pedro, podes estar certa que são os únicos amigos que tem e que se separam, é uma grande infelicidade não só para a família, como para o país.

Pensa bem, não deixes o Pedro só, tem paciência, ele é teu único amigo, tu és também a sua única amiga da corte que se o deixares temo para o futuro grandes perigos para o país. Peço-te perdão de todos os meus conselhos.

Tive o prazer de abraçar Joinville no dia 1 depois de uma longa ausência de 3 meses e meio. Mas ao menos tive o prazer de o tornar ver cheio de gloria e tendo servido bem o teu país.

Eu continuo sempre a passo bem a pequena também. Eu estou o ente o mais feliz que há neste mundo. Todos me mostram muitas amizades aqui, a rainha (rainha Amélia da França, sogra e tia-avó de d. Francisca, a rainha era tia materna da imperatriz d. Leopoldina) é pra mim como uma verdadeira mãe.

Há uma união na família o que faz nossa felicidade. Peço-te que leves recado ao mano Luís de minha parte e aceite um abraço.

Desta tua afetuosa mana,

Francisca

Francisca (1824-1898) foi Princesa do Brasil por nascimento e Princesa de Joinville por seu casamento com o príncipe francês Francisco de Orleães, terceiro filho do rei dos franceses Luís Filipe I de França. Ela era a quarta filha do Imperador e rei Pedro I e de sua primeira esposa, a arquiduquesa Maria Leopoldina da Áustria. Cresceu ao lado dos irmãos Dom Pedro de Alcântara (posteriormente imperador Dom Pedro II do Brasil), Paula Mariana e Januária, sob a regência de José Bonifácio de Andrada e Silva. Com a abdicação de Pedro I do Brasil em 1831 e sua mudança para a Europa para reconquistar a coroa portuguesa, Januária (1822-1901) tornou-se herdeira do trono em 1836.

Em 1844, quando Francisca escreveu esta carta, ela tinha apenas vinte anos e estava casada há um ano, vivendo uma nova vida em Paris com seu marido. A mais carismática das irmãs era a primeira princesa brasileira da história a representar o Brasil no exterior e a corte francesa gostava dela, especialmente a Rainha da França.

Francisca e seus irmãos tinham sido educados por uma regência exigente, sem pais, provavelmente sem muito amor, em uma corte brasileira isolada. A perda súbita da irmã Paula Mariana deixou os irmãos muito tristes, e Francisca sentia-se profundamente responsável por eles, especialmente por Dom Pedro II.

Ela tinha pouca experiência no jogo do poder, mas tinha consciência das intrigas políticas no Brasil e do perigo que representavam para seus irmãos e para o país. Todos esses pensamentos e intuições estão expressos nesta carta, o que a torna uma peça muito valiosa, merecendo um guardião especial.

Ver informações completas

Formulário de contato