Carta assinada por Daniel-Henry Kahnweiler (1963)

Carta assinada por Daniel-Henry Kahnweiler (1963)

Com certificado de autenticidade

  • R$ 1.500,00


O marchand que o primeiro apostou no Cubismo e em Picasso escreve para um famoso galerista alemão.

Carta assinada por Daniel-Henry Kahnweiler para Senhor Stangl. Uma página. Em alemão. 19.5 cm x 27.1 cm. Paris, 9 de abril de 1963. Excelente estado.

Prezado Sr. Stangel,

sim, infelizmente, chegamos a eles às 4 horas e nos desencontramos. Esta manhã eu encontro sua carta no meu regresso de Dortmund, onde eu estava com a Jardot, na abertura da exposição Manolo no museu. Por mais que seja, não podemos emprestar-lhes as novas heliogravuras em tão pouco tempo, porque todas as coleções estão prometidas há meses. Entre em contato com Hertz, que poderá dar-lhes as folhas, obrigado. Caso contrário, você teria que concordar com uma data na próxima temporada.

Atenciosamente, também do meu amigo Jardot. 

Daniel-Henry Kahnweiler

Daniel-Henry Kahnweiler (1884 - 1979) foi um marchand muito renomado por ter sido o primeiro a apostar no Cubismo, com pintores como Picasso e outros grandes nomes no início do século XX. Aqui reproduzimos partes de uma entrevista realizada em francês pela jornalista Charlotte Delafond, com o biógrafo de Kahnweiler, Pierre Assouline.

C. D. Quais você acha sere, as características essenciais que fazem de Daniel-Henry Kahnweiler uma figura-chave na história da arte moderna ?

P. A. Antes de tudo, deve-se lembrar de que Kahnweiler era um autodidata por natureza, ele não seguia padrões estéticos, dependia do seu instinto. Seu gosto, sua profissão, ele aprendeu indo ao museu do Louvre, frequentando os Salões, especialmente os Independentes, nas vendas públicas e de acordo com suas leituras, enriquecidas por revistas de arte estrangeiras. Além disso, e isso é muito importante, ele tinha a mesma idade que seus pintores - Picasso, Braque, Gris, Léger - com os quais manteve uma verdadeira cumplicidade. Ele era realmente o marchand de sua geração. (...) Kahnweiler era também um homem com uma certa força de convicção, que fazia escolhas e mantinha-as a qualquer custo, mesmo em tempos de crise. Quando ele acreditou no Demoiselles d'Avignon, ninguém mais acreditava nisso, ele não mudou de ideia diante das críticas.

Por seus pintores, ele estava disposto a fazer qualquer coisa, mas o que ele pedia era a exclusividade. Então ele era intransigente. Isso é o que o tornava especial. Ele os colocava sob contrato, o que nunca havia sido feito. Ele pagava um valor para cada um mensalmente, para dar-lhes os meios para viverem sua arte. Eles se ocupavam da pintura ; a venda, os colecionadores, os salões e o resto eram dele. Isso foi revolucionário !

A última coisa é que Kahnweiler era um homem paciente. Com isso quero dizer que ele pensava tudo a longo prazo, ele trabalhava para a posteridade. Nesse sentido, investia intensamente em propaganda e foi um dos primeiros - senão o primeiro - a fotografar sistematicamente as pinturas e a enviar essas reproduções fotográficas para revistas de arte em toda a Europa, na Alemanha, é claro, mas também na Suíça, na Bélgica e na Inglaterra. Esta foi uma de suas principais estratégias e uma das razões que tornaram seus pintores famosos.

C. D. O que Daniel-Henry Kahnweiler devia aos antigos marchands famosos, incluindo Paul Durand-Ruel e Ambroise Vollard ? E em que medida ele continua um modelo para os jovens marchands ?

P. A. Paul Durand-Ruel, ele não o conhecia, mas o considerava um modelo absoluto. Ele realmente o admirava. Não só porque ele era o marchand dos impressionistas que os apoiou contra tudo, mas também pela linha de conduta que impôs a si mesmo. Ele respeitava os princípios em que Durand-Ruel reinventou sua profissão, sua atitude moral em relação ao mercado, aos artistas e ao público. Kahnweiler secretamente queria reproduzir o que seu mestre havia feito. Ele queria ser um precursor, comprando o que gosta e impondo seu gosto ao público.

Ambroise Vollard não foi a mesma história. Ele era um contemporâneo. Era um pouco mais velho, mas muitas vezes se encontravam, a galeria Vollard não é muito longe daquela em que se instalou. Ele estava interessado em Picasso pouco antes dele, e Kahnweiler respeitava seus gostos. Mas os dois homens eram muito diferentes, quase opostos. Ambroise Vollard gostava de curtir a vida, levava tudo na brincadeira. Kahnweiler era muito germânico, bastante austero e extremamente meticuloso. Em outras palavras, Kahnweiler gostava de Vollard, mas não o admirava.

Realmente, seu verdadeiro mestre foi Paul Durand-Ruel. Foi ele quem lançou as bases da arte do marchand no sentido moderno do termo, que Kahnweiler adaptou e reinventou no início do século XX. Para mim, Kahnweiler é o modelo do marchand de arte moderna, ou melhor, do que um marchand deve ser no século XX. Hoje, claro, as coisas mudaram, a profissão evoluiu e as condições não são mais as mesmas. Mas os princípios que apresentou ainda são válidos.

Otto Stangl era um negociante de arte e um galerista alemão, que com sua esposa Etta fundou a Galeria Moderna Etta e Otto Stangl em Munique em 1947, uma das galerias mais influentes da vanguarda após a Segunda Guerra Mundial ; Manolo Hugué, amigo do pintor espanhol Picasso, era um escultor renomado ; enfim, Maurice Jardot era o braço direito de Kahnweiler e presidiou a Galeria Kahnweiler / Leiris por quase 40 anos (1956 - 1996).

Por que esse documento é raro ?

Às vezes as pessoas nos bastidores são tão importantes e interessantes quanto os famosos mesmo... ao final quem seriam Picasso, Vlaminck ou Derain, Gris ou Leger sem Kahnweiler ? Essa carta mostra um pouco o cotidiano desse grande marchand de arte, mencionando seu trabalho com o sócio (Maurice Jardot), encontros com artistas e exposições (Manolo Hugué) e relações com outros galeristas (Etta e Otto Stangl) em 1963, ano do falecimento de George Braque. Gostamos aqui também do papel personalizado de Daniel-Henry Kahnweiler, com o cabeçalho sofisticado de sua famosa galeria.


Documentos relacionados