Pular para as informações do produto
1 de 3

Com certificado de autenticidade e garantia

Carta assinada por Paulo Freire

Carta assinada por Paulo Freire

Preço normal R$ 1.500,00 BRL
Preço normal Preço promocional R$ 1.500,00 BRL
Promoção Tem novo guardião

O educador e filósofo brasileiro Paulo Freire pede a opinião de Magdala sobre uma nova Revista.

  • Carta de Paulo Freire para Magdala.
  • Uma página, papel com cabeçalho da Revista Diners.
  • Em português.
  • 21.5 cm x 28.5 cm.
  • Sem data e localização.
  • Bom estado, carta dobrada em três.
  • Peça única.

Prezada Magdala,

Segue uma avant-première da Revista DINERS que estará nas bancas de setembre. Colaboram, entre outros, Carlos Drummond de Andrade, Paulo Mendes Campos, João Gilberto, Lauro de Oliveira Lima, D.H. Lawrence, Franklin de Olveira, Antônio Callado e eu próprio. A revista pretende ser feita para gente como você. Opine.

Paulo Freire.

Dividindo opiniões no Brasil entre críticos e defensores de sua abordagem pedagógica, Paulo Freire (1921 - 1997) foi um educador brasileiro reconhecido internacionalmente por seu trabalho inovador e influente na área da educação. Ele é considerado um dos grandes pensadores da pedagogia contemporânea. Nordestino e pernambucano, Freire experimentou a pobreza e a fome na infância, em uma época em que mais de 50% da população adulta não sabia ler ou escrever, privando-se de "ler o mundo" e do direito de votar. Sua experiência de vida inspirou a criação da "Pedagogia do Oprimido", livro lançado em 1968, que se tornou uma referência mundial na área da Educação.

Ele testou seu método com sucesso pela primeira vez em 1963 no Rio Grande do Norte, o que levou o Presidente João Goulart a criar um plano nacional de alfabetização. No entanto, os militares, prestes a assumir o poder, encararam o programa de alfabetização como uma ameaça, acusando Paulo Freire de comunismo. Ele foi inicialmente preso e depois exilado, passando 16 anos banido do Brasil. No entanto, durante esse período fora do país, continuou seu trabalho dando palestras nas maiores universidades norte-americanas, participando de eventos na Europa e contribuindo com projetos na África, entre outros.

Em 1980, Paulo Freire retornou ao Brasil, país do qual é - na minha opinião, como um francês abrasileirado - uma das grandes figuras humanistas, ao lado do Imperador Dom Pedro, do ambientalista Chico Mendes, da religiosa Irmã Dulce e de muitos outros.

Vocês conhecem as revistas ‘Isto É’, ‘Veja’ e ‘Época’? "Diners" foi uma dessas grandes publicações da elite intelectual brasileira a partir de 1962. Sua redação era composta por indivíduos talentosos, entre os quais Paulo Freire foi convidado para colaborar pontualmente a partir de 1967, mas por pouco tempo, já que no final de 1968 começaram as prisões da ditadura.

Mas quem é Magdala, a destinatária desta carta? Não tenho certeza, mas poderia ser o apelido carinhoso que Freire dava para Madalena, sua filha mais velha e uma das principais defensoras do legado do patrono da educação brasileira. Nascida em 1946, ela tinha cerca de 20 anos na época da carta, o que poderia fazer sentido.

Gostei desta carta. Ela retrata uma grande figura brasileira, polêmica como todos os visionários, humanista, humilde, impactante e cujo legado honra o Brasil no exterior. O conteúdo também é interessante, ao mencionar o lançamento de uma das revistas emblemáticas da época, quando o Rio de Janeiro já era o centro cultural do Brasil. Além disso, cita grandes nomes como Carlos Drummond de Andrade ou João Gilberto. Interessante também é o fato de Freire escrever “a revista pretender ser destinada a pessoas como você. Opine”, o que testemunha todo o carisma do seu autor.

Ver informações completas