Cartão de vista com duas assinaturas de Getúlio Vargas (1948)
Cartão de vista com duas assinaturas de Getúlio Vargas (1948)
Cartão de vista com duas assinaturas de Getúlio Vargas (1948)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Cartão de vista com duas assinaturas de Getúlio Vargas (1948)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Cartão de vista com duas assinaturas de Getúlio Vargas (1948)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Cartão de vista com duas assinaturas de Getúlio Vargas (1948)

Cartão de vista com duas assinaturas de Getúlio Vargas (1948)

Preço normal
R$ 0,00
Preço promocional
R$ 0,00
Preço normal
Esgotado
Preço unitário
por 

> Esse item saiu do catálogo, veja aqui os documentos disponíveis <

Em 1948, o ex e futuro Presidente Getúlio Vargas assina um duplo autógrafo no seu cartão de visita.

Autógrafos de Getúlio Vargas para Hamilton Rodrigues. Em português. 9.8 cm x 5.7 cm. Agosto de 1948, sem indicação sobre a localização. Perfeito estado. Peça única.

À frente do Brasil, desde 1930, o Presidente Getúlio Vargas (1882 - 1954) foi destituído do poder pelos militares em 1945. Depois de ter sido senador no reinado do general Gaspar Dutra, Vargas voltou ao cargo de candidato do Partido dos Trabalhadores na eleição presidencial em 3 de outubro de 1950. Conquistou, então, a vitória sobre seu rival mais sério, o general Eduardo Gomes, da União Democrática Nacional. 

O presidente eleito governou pela esquerda e teve várias reformas adotadas, incluindo a nacionalização da indústria do petróleo em 1953. Porém, a situação econômica do Brasil, as tensões com o Exército e a eclosão do caso “Carlos Lacerda”, na qual Vargas estaria envolvido, colocavam-o em uma posição difícil. Esses acontecimentos levam ao suicídio do Presidente em 24 de agosto de 1954. As eleições realizadas em outubro de 1955 resultaram na vitória de Juscelino Kubitschek, torcedor de Vargas.

Por que esse documento é raro?

Após ter sido deposto pelos militares, em 1945, Vargas foi eleito no senado, mas incomodado por diversas acusações da oposição, decidiu regressar a sua cidade natal, na Fazenda do Itu, longe da política. Foi lá que demonstrou, aos poucos, a intenção de voltar à presidência da república como "líder das massas". Foi nessa época também que autografou esse raro cartão de visita para um desconhecido, talvez um dos partidários que desejava saber “o que se passava na cabeça do líder trabalhista gaúcho” ?