Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)
Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)
Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)
Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)

Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro (1960s)

Preço normal
R$ 1.500,00
Preço promocional
R$ 1.500,00
Preço normal
Esgotado
Preço unitário
por 

Um turista francês registra o Rio de Janeiro dos anos 1960.

Dez pequenas fotografias do Rio de Janeiro, durante os anos 1960, com anotações em francês. Fotógrafo anônimo. 3 folhas (12 cm x 18 cm, 19 cm x 10.5 cm, 9 cm x 14 cm), cada fotografia mede ~ 5.5 x 3.5 cm. Excelente estado. Conjunto único. 

Inventei o texto à seguir para descrever esse conjunto para vocês : 

Irmã,

nem posso acreditar que, finalmente, cheguei ao Rio de Janeiro, no Brasil ! Você se lembra daquelas imagens que víamos da cidade na televisão da casa do tio Pepe? Pois a realidade é ainda melhor, tudo é novo e ao mesmo tempo clássico e elegante, parece um sonho. Ainda assim, nada é mais imenso, infinito e lindo que o mar. Irmã, você precisa conhecer Copacabana, esse foi o primeiro lugare que eu vim assim que sai do aeroporto e agora volto aqui para escrever-lhe estas poucas palavras, quero absorver tudo e não esquecer de nenhum detalhe.

Você se lembra de quando íamos ao riacho perto de casa e dizíamos que aquela água rala devia ser como o mar, sinto em lhe dizer, mas nos enganamos, o mar é muito mais, tão forte quando quebra em ondas na areia, mas tão suave no cheiro de sua brisa, é um azul sem fim, e mesmo ao olhar para o horizonte, é impossível ver o outro lado! E as mulheres de maiô, com as pernas inteiras de fora, papai ficaria louco! Aliás, como anda papai?

Eu sei que ele ainda está furioso com a minha viagem, que o Brasil e cidade grande não são lugares de moña solteira, e sei que ele não quer saber notícias minhas. Ainda assim, se puder ao menos contar-lhe que estou bem. Encontrei um quartinho em uma pensão no Botafogo, apenas para mulheres! E lá conheci a Dona Alzira, uma viúva muito bondosa que, ao ouvir minha história, deu-me um trabalho como sua assistente em seu ateliê. Você vai ver, logo serei uma costureira francesa conhecida no Rio de Janeiro e deixo o papai orgulhoso.

Mas enquanto esse dia não chega, vou aproveitando para passear, já andei pela lagoa, pela orla, vi o corcovado, e, mana, uns edifícios enormes! Não sei como essa gente faz para morar uma acima da outra, devem escutar tudo o que dizem os vizinhos. Lá na pensão já me explicaram que esses apartamentos de frente para o mar são os mais caros da cidade, e eu entendo, que privilégio será acordar todos os dias e dar de cara com esse azul. Enquanto não posso me dar esse luxo, vou à praia e tomo meu bonde de volta ao Botafogo. Irmã, saiba que sempre será bem vinda se quiser me visitar, assim como papai e mamãe.

Quando voltar para França, vou te levar uns discos, há um ritmo novo que se toca por aqui, a Bossa Nova, é a coisa mais linda que eu já ouvi, tão doce e suave que só poderia ter nascido nessa cidade, aposto que quem inventou a Bossa Nova estava olhando para o mar. 

Um abraço caloroso de sua irmã que muito te ama.

Jacqueline.

Por que esse documento é raro ?

Gostei desse pequeno conjunto, achei singular, poético. Como o Rio de Janeiro.