Menu
Carrinho 0

Imigrantes franceses contam a vida no Rio de Janeiro durante a Revolta da Armada

Postado por Mathias Meyer em

Em meados da década de 1890, um casal de imigrantes franceses conta as dificuldades para se viver na capital, Rio de Janeiro, tomada pela febre amarela e a Revolta da Armada. 

Aqui temos quatro cartas enviadas por Xavier e Marthe, um casal de imigrantes franceses no Brasil, para uma tia em Paris. Chegaram no Brasil em 1891 para tentar fazer fortuna no ramo da construção, primeiro em Caxambu e depois no Rio de Janeiro. Infelizmente, tiveram que enfrentar tanto a febre amarela como a Revolta da Armada.

A Revolta da Armada, que ocorreu no Rio de Janeiro entre 1891 e 1894, foi uma ação armada da Marinha do Brasil, os quais bombardearam a capital Rio de Janeiro com navios de guerra. Os opositores eram monarquistas, insatisfeitos com a presidência do Marechal Deodoro da Fonseca, apontado como um dos responsável por uma grave crise política e econômica. 

Rio de Janeiro, 20 de abril de 1891

Querida tia, eu lhe digo que Martha chegou ao Rio no dia 8 de abril. Eu fui ao Rio de Janeiro, onde estava insuportavelmente quente. Então fiquei apenas três dias no Rio de Janeiro com Martha, porque também é muito perigoso para os europeus que não estão acostumados, especialmente quando a febre amarela reapareceu. (...) Mas o ar é muito bom aqui. Sempre comemos no hotel porque não sei exatamente quanto tempo ficaremos em Caxambu (...).

Rio de Janeiro, 1º de fevereiro de 1893

Acredito que este ano novamente as Américas não darão bons negócios, não há nada estável, todos os negócios e três quartos dos bancos estão em estado de colapso (...). Espero que seja melhor em breve, mas não temos tanta certeza. O trabalho não está faltando, mas é difícil porque os preços dos materiais aumentam dia a dia, o que dificulta a preparação das cotações.

Rio de Janeiro, 29 de outubro de 1893

(...) estamos em revolução, o que não ajuda em nada. Deus sabe quando eles terminarão. Estamos novamente sob cerco por um mês, não podemos ter grandes esperanças, todo o trabalho está parado.

Eu processei o cliente por quem eu construí, mas ele acaba de ser assassinado (...).

Se eu pudesse, eu teria ido para outra província chamada Amazonas. A viagem é um pouco longa, há uns vinte dias de barco mas eu iria embora sem problema. Infelizmente não posso sair antes do final completo X da revolução.

 Você vê, quando eu fiz a pequena cruz acima, um bombardeio começou, algo que se repete todos os dias. E se você soubesse onde moramos, estamos na primeira linha, dominamos toda a cidade e prometo que é realmente linda (...).

Se ao menos soubéssemos o dia em que esta revolução terminará, mas há dois meses estamos lá e sem decisão. Eu penso que ao mesmo tempo estes ruídos de matanças serão terminados, os trabalhos retomarão porque os bombardeios destruíram muitos prédios, o que vai dar muito trabalho de reconstrução.

Querida tia, você vê que em todos os países do mundo há problemas, no Brasil também, que é o país mais bonito do mundo. Nós nunca teríamos uma ideia do que esses países são antes de os vermos. E, certamente, eu não me arrependo ter vindo, mesmo se eu tiver a infelicidade de não fazer fortuna, mas a magnitude desta natureza é uma riqueza que se encontra apenas no Brasil.

Martha fala muitas vezes de você, ela quer que você venha para admirar este país rico, especialmente desde a nossa casa, onde admiramos todo o mar, mas vemos esse bombardeio, às vezes com medo porque vemos todos os tiros.

Rio de Janeiro, 2 de fevereiro de 1894

(...) Desculpe por não ter respondido mais rápido, mas Marthe está tão doente da febre amarela. Hoje é o sétimo dia e se ela passar bem, ela será salva. Você vê que temos todos os infortúnios possíveis. Eu tenho apenas 17 contos de Réis. Estamos reduzidos a começar de novo, mas de uma maneira absolutamente primitiva. Eu tenho uma nova empresa, mas o que sinto falta é das matérias-primas e do dinheiro.

Nós tivemos uma daquelas desgraças que raramente vemos. Eu fiquei doente três ou quatro vezes, não é o que deveria ser. Depois de estar à frente de uma pequena fortuna, a perdi tão rapidamente, seria o suficiente para enlouquecer. (...)

Sua vinda seria um grande prazer para nós, mas eu não acredito que este projeto possa ser realizado imediatamente porque esta revolução é mais terrível. Então, eu acho que eles não deixariam vocês desembarcar. Seria também a maior imprudência, porque a febre amarela é terrível este ano e só curamos 9% dos pacientes, para você ver como é devastadora. Martha está melhor, espero salvá-la.

Eu não falo mais sobre a revolução porque eles controlam as cartas. Não temos nada a ver com política, por isso é melhor não falar sobre isso. Ainda estamos em estado de guerra. Os negócios estão muito difíceis. Eu tenho uma construção para fazer, mas no momento os materiais são tão escassos que eu tenho medo de começar. Por favor, tome informações em Paris porque eu gostaria de sair daqui para ir a um país mais saudável e ganhar dinheiro.


Compartilhe esta postagem



← Postagem anterior


Receba as novidades + Aprenda sobre o mundo fascinante dos documentos raros.