Carta manuscrita de Joaquim Nabuco (1898)
Carta manuscrita de Joaquim Nabuco (1898)
Carta manuscrita de Joaquim Nabuco (1898)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Carta manuscrita de Joaquim Nabuco (1898)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Carta manuscrita de Joaquim Nabuco (1898)
  • Carregar imagem no visualizador da galeria, Carta manuscrita de Joaquim Nabuco (1898)

Carta manuscrita de Joaquim Nabuco (1898)

Preço normal
R$ 3.500,00
Preço promocional
R$ 3.500,00
Preço normal
Esgotado
Preço unitário
por 

Retirado da vida política após o fim da monarquia, o abolicionista Joaquim Nabuco responde uma solicitação do prestigioso Instituto Histórico Geográfico Brasileiro.

Carta manuscrita de Joaquim Nabuco para Henri Raffard. Uma folha, duas páginas. Em português, 11 cm x 16.5 cm. 11 de maio, 1898, Maricá (RJ), Brasil. Excelente estado. Peça única.

Fazenda de Pilar, Maricá 

11 de maio, 1898

Meu caro amigo Sr. Raffard,

Vejo que o Instituto adoptou a data de 20 de Maio para a sua comemoração. Nesse dia não poderei infelizmente estar na cidade, tenho vindo para “a roça” por causa da saude e sendo muito pequeno o espaço de tempo para voltar - e com um discurso. Queira assim desculpar-me com o Instituto. É uma bela ocasião que cedo a outrem de exaltar os Portugueses : pela minha parte já o fiz bastante e tantas vezes que seria monótono para os que me ouvissem. Não lhe telegrapharei por não caber em um telegramma toda essa explicação. Creia me sou muito sinceramente

Seu amigo e confidente [?]

Joaquim Nabuco

Conhecido por sua luta contra a escravidão, sendo fundador da Sociedade Antiescravidão Brasileira, Joaquim Nabuco (1849 - 1910) criticou fortemente a Igreja Católica, que, em sua visão, não teria defendido a emancipação dos escravos no Brasil. Além disso, defendeu a liberdade religiosa, a separação entre Estado e Igreja. Foi também historiador, jurista e jornalista, além de ser um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Assumiu o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos, entre 1905 e 1910, no fim da sua vida.

Com o advento da República e Monarquista, Joaquim Nabuco retirou-se da vida pública, casou-se e teve cinco filhos, se dedicou ao jornalismo, à sua obra e aos estudos. Foi nessa época que essa carta foi escrita na fazenda do Pilar que pertencia à família de Joaquim Nabuco. Fato interessante também, a Princesa Isabel visitou Maricá em 1868, se hospedou na Fazenda e participou de um baile em sua homenagem no salão nobre da Câmara Municipal de Maricá.

O destinatário dessa carta chama-se Henri Raffard (1851-1906), foi filho de um cônsul-geral da Suíça, comerciante, industrial e eleito primeiro-secretário do IHGB de 1891 até seu falecimento. O IHGB é a mais antiga e tradicional entidade de apoio à pesquisa e preservação da história e geografia, cultura e ciências sociais do Brasil, foi criada em 1838.

Por que esse documento é raro ?


Joaquim Nabuco é visto como um dos grandes nomes da História do Brasil, é considerado um herói da pátria e homenageado em diversas instâncias e monumentos : documentos autógrafos dele aparecem muito raramente, especialmente em excelente estado, com um destinatário importante (o IHGB) e um conteúdo interessante que relata um certo cansaço de Nabuco “
 É uma bela ocasião que cedo a outrem de exaltar os Portugueses : pela minha parte já o fiz bastante e tantas vezes que seria monótono para os que me ouvissem”.